domingo, 4 de janeiro de 2009

As Idades do Homem

De acordo com a mitologia clássica, as Idades do Homem são um conjunto de estágios pelos quais o ser humano passa na Terra. Dois autores clássicos, em particular, falam-nos sobre estas sucessivas idades da humanidade, que progrediram de uma original e longínqua idade na qual os homens gozavam de uma existência quase divina até ao actual tempo desses autores, no qual os seres humanos se encontram rodeados de inumeráveis dores e maldades. Nesses dois relatos que sobreviveram, das antigas Grécia e Roma, esta degradação da condição humana ao longo do tempo é indicada simbolicamente através de metais de menor valor sucessivo. Os antigos denominavam-nas de Idade do Ouro, Idade da Prata, Idade do Bronze e Idade do Ferro.
No Antigo Testamento, no Livro de Daniel, Nabucodonosor teve um sonho acerca de uma estátua feita de quatro metais, o qual foi interpretado por Daniel. Se esta história deriva dos relatos clássicos mencionados em cima, isso é incerto, mas utiliza os mesmos quatro metais para descrever períodos diferentes da História. Também descreve os diferentes tipos de humanidade durante essas quatro idades.


As escrituras hindus e védicas também fazem referência a quatro idades: Satya Yuga (Idade do Ouro), Treta Yuga (Idade da Prata), Dwapara Yuga (Idade do Bronze) e Kali Yuga (Idade do Ferro). De acordo com Swami Sri Yukteswar, estas quatro idades equivalem a 12 000 anos em ordem ascendente e a 12 000 anos em ordem descendente (24 000 anos é assim a duração de um ciclo completo, o Ciclo dos Yugas é como as estações do ano, as idades são as estações da História ou as estações do Homem e todo o ciclo está relacionado com a precessão dos Equinócios). Ele explicou que tal é causado por um movimento celeste e que o sistema solar inteiro gira à volta de outra estrela, sugerindo que é esta proximidade da Terra e do Sol em relação a este grande centro que determina qual a estação do Homem ou Yuga na qual nos encontramos.
No entanto, existem diferentes opiniões em relação à duração de cada Yuga e, em particular, à data do final do Kali Yuga. Para Swami Sri Yukteswar, encontramo-nos no início da fase ascendente da Idade do Bronze. Já investigadores como John Major Jenkins, baseados em dados astronómicos mais recentes, defendem que estamos no final da fase descendente da Idade do Ferro, a ponto de mudar para a fase ascendente da mesma e outros referem ainda que estamos no final do Kali Yuga.

Satya Yuga ou Krita Yuga :
É o yuga mais elevado, onde a grande maioria das pessoas pode experimentar a espiritualidade por realização intuitiva e directa da verdade, o véu entre o reino trascendental e espiritual torna-se quase transparente. É um período livre de qualquer tipo de infelicidade ou miséria, esta era é também chamada de era dourada.


Treta Yuga:
Esta é a era do mental, em que o poder mental é posto em uso, os homens estão no poder e as invenções dissolvem a ilusão do tempo. A clarividência e a telepatia são habilidades comuns.


Dvapara Yuga:
Neste yuga a ciência floresce, as pessoas experienciam a espiritualidade em termos de energias subtis e escolhas racionais, invenções são abundantes, particularmente aquelas que dissolvem a ilusão da distância (entre pessoas e entre coisas), e o poder está geralmente nas mãos das mulheres. O final desta idade (na sua fase descendente) está associado à morte de Krishna, que foi um avatar hindu.


Kali Yuga:
É a era mais baixa, na qual a maior parte das pessoas está apenas consciente dos aspectos físicos da existência. A ênfase predominante da vida é a sobrevivência material e o poder estar maioritariamente nas mãos dos homens.


Templos, guerras e documentos escritos são características emblemáticas do Kali e Dwapara yugas. Nas épocas mais altas (Treta e Satya), a escrita é desnecessária porque as pessoas comunicam directamente através do pensamento. Os templos são também desnecessários porque as pessoas sentem a omnipresença de deus. As guerras são raras.


Existem muitas outras referências a vários tipos de idades do mundo ou idades do homem, como nos hopis (mundos), nos maias (sóis) e outras culturas da antiguidade.


Links:

http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Nebuchadnezzar%27s+statue+vision+in+Daniel+2&btnG=Pesquisa+do+Google&meta=&aq=f&oq=

http://www.bibliotecapleyades.net/esp_2012_05.htm

http://en.wikipedia.org/wiki/Yuga

http://en.wikipedia.org/wiki/Ages_of_Man

Sem comentários: