quinta-feira, 28 de julho de 2011

Acontecimentos incomuns?...

Alguns acontecimentos incomuns têm-se verificado ao longo do tempo, este post é sobre 2 destes acontecimentos incomuns, em 2011. Um deles ocorrido no Sol, outro verificado na Gronelândia.

A 11 de Janeiro último, os habitantes da cidade de Ilulissat, na costa Oeste da Gronelândia, viram o Sol nascer 48 horas antes do que é costume. Esta povoação, por estar situada acima do Círculo Árctico, fica sem luz solar durante grande parte do Inverno, sendo que o Sol costuma passar a ser visível a partir de 13 de Janeiro.
Este misterioso nascer do Sol prematuro confundiu habitantes e cientistas. Surgiram algumas hipóteses para explicar o sucedido, tais como uma ilusão atmosférica, efeitos do aquecimento global ou até uma mudança na inclinação no eixo da Terra. Esta última foi colocada de lado, dado este ter sido um acontecimento isolado (Foi mesmo? Há relatos de nativos polares de que o nascer e o pôr do sol estão diferentes) e os cientistas afirmarem que os dados da rotação da Terra e do seu eixo são continuamente monitorizados e não apresentaram mudanças que confirmassem uma alteração. Se tal tivesse acontecido, dizem que notaríamos mudanças a olho nu nos céus estrelados em todo o mundo e que isso não tem acontecido. (Não tem acontecido? Há relatos de muita gente que acha que o céu estrelado está diferente).
Apesar de não terem chegado a um consenso sobre o sucedido, as hipóteses mais prováveis são a de uma ilusão atmosférica ou de consequências das alterações climáticas.



A 7 de Junho último, ocorreu uma explosão solar de contornos originais, ainda não presenciados até a essa data pelos cientistas: "Nunca tínhamos visto nada como isto. Metade do Sol parecia estar a explodir aos pedaços.". A explosão solar libertou material de cor preta de grandes dimensões, muito do qual, após ser projectado, desceu até à superfície solar, tal qual fogo de artifício. Outra parte do material foi projectada para fora da superfície solar. No entanto, apesar de este fogo de artifício escuro ser novidade para os cientistas, tal pode até nem ser tão raro... afinal, ainda mal conhecemos o Sol.